Sempre que falamos em Gestão Integrada pensamos na viabilização de resultados para o Gestor de Recursos Humanos, mas como a atuação da Assessoria de Saúde Ocupacional influencia nos resultados desta ação? Para entender melhor a importância do tema, batemos um papo com a Carla Lombardi, profissional de RH que acabou de implementar a Gestão de Saúde Integrada em uma grande empresa, confira:
Ser Saúde: Qual foi o fator motivador para implementar a Gestão de Saúde Integral? 
Carla: A motivação para implementar uma Gestão de Saúde integrada foi buscar mais assertividade nos programas de qualidade de vida e melhor gerenciamento dos benefícios voltados para saúde . Quanto maior o número de informações maior a chance de impactar positivamente a vida dos funcionários e ter os melhores indicadores na gestão dos benefícios.

Ser Saúde: Consegue mensurar os benefícios ou resultados desta implantação?
Carla:
A mensuração ainda é complexa porque a qualidade de vida de cada pessoa precisa ser medida no longo prazo, mas é possível mensurar o nível de engajamento das pessoas nos programas, que na minha experiência gira em torno de 40%. Já quanto á gestão dos benefícios permite uma visão mais apurada de custos, além de facilitar as negociações.

Ser Saúde: Sua experiência à frente da Gestão de Saúde Integral é um diferencial no mercado de Gestão de RH? 
Carla: Sim, atualmente os profissionais precisam ter cada vez mais esse olhar integrado sobre os benefícios e os programas que as empresas oferecem. Quanto mais integrada for essa visão, maior a chance de implementar ações de sucesso e que de fato tragam melhoria na vida das pessoas. Quando pensamos em Gestão de Saúde – Qualidade de Vida no Trabalho, temos que pensar em ações que tragam benefícios ao longo da vida, então o desafio é: O que posso fazer hoje que o funcionário levará para o resto da vida como positivo?

Ser Saúde: Para você qual tem sido o maior desafio à frente deste processo?
Carla: O maior desafio ainda é criar soluções distintas para atingir as pessoas na individualidade, ou seja, descobrir o que motiva cada pessoa considerando as diferenças de idade, gênero, localização, etc.  Outro desafio importante é a dificuldade de ter um programa de promoção a saúde estruturado, com equipe e budget dedicado. Além disso ainda temos fatores externos a empresa como as questões de saúde pública no país que trazem grandes riscos e preocupações para a população.

Ser Saúde: Qual o papel que a Saúde e Segurança do Trabalho exerce na Gestão da Saúde?
Carla: A área de Saúde e Segurança do trabalho exerce um papel fundamental nesse processo porque são responsáveis por validar as informações geradas, bem como ser o elo de comunicação entre a empresa e os funcionários. Quanto maior for a proximidade dessa área com os funcionários e a gestão de benefícios, melhor serão os resultados.

Ser Saúde: Pode-se entender que Saúde Integral é o caminho para as empresas? 
Carla: Sem dúvida, a saúde integrada inclusive com tecnologia são a solução para empresas desenvolverem programas de sucesso e que tragam valor agregado ao funcionário.

 A Ser Saúde tem se mostrado cada vez mais um parceiro importante nesse processo porque estão sempre atentos a legislação, novidades e melhorias de processo/sistemas. Além disso, são pro ativos em buscar soluções de acordo com as necessidades das empresas e trazem retornos rápidos.

Carla Lombardi